terça-feira, 7 de maio de 2013

This Ad Has a Secret Anti-Abuse Message That Only Kids Can See


In an effort to provide abused children with a safe way to reach out for help, a Spanish organization called the Aid to Children and Adolescents at Risk Foundation, or ANAR for short, created an ad that displays a different message for adults and children at the same time.
The secret behind the ad's wizardry is a lenticular top layer, which shows different images at varying angles. So when an adult—or anyone taller than four feet, five inches—looks at it they only see the image of a sad child and the message: "sometimes, child abuse is only visible to the child suffering it." But when a child looks at the ad, they see bruises on the boy's face and a different message: "if somebody hurts you, phone us and we’ll help you" alongside the foundation's phone number.
The ad is designed to empower kids, particularly if their abuser happens to be standing right next to them. And while this is a great and worthwhile use of lenticular images, how long will it be before toy companies start doing to the same thing to hawk their products directly at kids?

Andrew Liszewski

segunda-feira, 29 de abril de 2013


Passa a Palavra
 
Two Step Flow foi um dos primeiros modelos de comunicação desenvolvido nos anos 40 e 50 por Lazarsfeld, Berelson e Gaudet , sobre o papel dos líderes de opinião na sociedade. Segundo este modelo a informação chega aos indivíduos em duas etapas. Os lideres de opinião são fontes de influência, dada à sua esfera de relações,á sua posição socioeconómica, ou também porque são especialistas em determinada área. Eles fazem a ligação entre os meios de comunicação e a audiência, eles podem influenciar e modificar a opinião do seu público-alvo nos campos politico, social e económico.

Nos dias de hoje, no campo jornalístico, está muito em voga os comentadores ou líderes de opinião, usarem da “palavra” para comentarem os temas que marcam a actualidade .Em alguns meios de comunicação social como a TV , e até na rádio verificamos a existência de um comentador ou líder de opinião , sobre os mais diversos temas : desde o desporto até  à política…Todos procuram ter o melhor , ou o mais polémico…

No campo do Marketing e das vendas também encontramos a influência dos formadores de opinião . É comum na publicidade o uso de pessoas conhecidas e de sucesso para através delas criarem nas pessoas a vontade de comprar determinado produto. Dessa forma podem interferir nas vendas de determinado produto, aumentando a quantidade vendida. Segue  vídeo de marca multinacional de vestuário , que usou o rosto de um ídolo da musica para campanha publicitaria da nova coleção de Verão de 2013 , na tentativa de atingir o máximo de audiência e vendas com esta campanha. A marca consegue aliar o glamour e o traje de praia , usando os tons de praia e sol.

 25% das vendas desta campanha revertem a favor da WaterAid.

 

O envolvimento de figuras públicas em campanhas publicitárias e lançamento de novos produtos tem a designação de “Endorsement”, o objectivo é darem mais apoio e exposição ás marcas , esta é uma das estratégias utilizadas pelo Marketing.

“As marcas e a criação de marcas devem estar alicerçadas numa visão rigorosa e filosófica do modo como o mundo funciona.” Kevin Duncan



domingo, 21 de abril de 2013

Gatekeeping



Em 1950, White, questionou o porquê de existir um sem fim de assuntos a noticiar, e apenas surgirem algumas notícias.

Ao efectuar um estudo baseado na actividade de um jornalista americano, concluiu que a selecção das notícias é um processo subjectivo, influenciado pelas experiências e valores do que ele chamou de “gatekeeper”.

O gatekeeper, é a pessoa ou grupo que tem o poder de filtrar a informação em zonas filtro. Neste processo de filtragem há muitas influências e a vários níveis:

·         A nível individual – influencia exercida pelo modelo de pensamento, valores e características pessoais dos intervenientes.

·         Pelas rotinas produtivas

·         A nível organizacional em três sub niveis:

o   pelas características organizacionais (recursos, hierarquias, etc)

o   pelos processos organizacionais de socialização dos jornalistas

o   pelas dinâmicas próprias que a organização noticiosa estabelece com o meio

Para o processo ser efectuado os gatekeeper’s tem ainda de lidar com os constrangimentos:

·         A fonte de informação –  a origem pode complicar na altura de escolher.

·         As audiências – por serem a meta a atingir em termos de objectivos dos MCS actuais

·         Os mercados – com propósitos exclusivamente económicos

·         As agencias de publicidade – através do uso dos espaços acabam por exercer pressão

·         O poder politico – na propaganda

·         Lobys variados

·         Relações publicas de outros MCS

Newsmaking



Newsmaking é uma teoria que se opõe á teoria do espelho, onde o jornalista era reconhecido como um mero relatador de acontecimentos. Agora ele fabrica a notícia e faz parte dela.

Nos dias de hoje, e pela facilidade com que qualquer um de nós pode pesquisar informação variada sobre os mais variados assuntos, chega-se facilmente á conclusão que temos demasiadas situações que poder ser transformadas em notícia.

Importa então ver o que realmente é notícia.

Na teoria do newsmaking, a definição do que será noticiado, entre os diversos assuntos, são os critérios de noticiabilidade.

Os critérios, segundo Galtung e Ruge (1965) sem hierarquia:


Momento do acontecimento - última hora

Intensidade - dimensão/quantidade

Clareza - fácil compreensão

Proximidade – geografia

Consonância - ideias aceites por todos

Surpresa – novidade

Continuidade - seguir um acontecimento

Composição – equilíbrio

valores socioculturais 


 Galtung e Ruge escrevem que “um acontecimento será tanto mais noticiável quanto maior número de valores possuir, embora não seja uma regra absoluta.”

Ou seja, eles admitem que “um único valor pode compensar a inexistência de outros valores”

Gatekeeping


Gatekeeping foi um conceito que surgiu em meados de meados dos anos 50 .Kurt Lewin , foi um dos pioneiros a usar este conceito, ele comparou o gatekeeping , a uma esposa ou mãe a pessoas que decidem qual o menu do jantar.

O Gatekeeper , em comunicação , é a pessoa responsável pela escolha ou bloqueio e a quantidade do que deve ser ou não considerado noticia, é aquele que faz o controle da informação, ou seja, este é um conceito jornalístico usado para a pessoa que faz a filtragem da informação.

As escolhas do Gatekeeper estão também sujeitas a outro tipo de critérios tal como experiencias , atitudes e até a própria actualidade , e que colocam a sua imparcialidade e a própria objectividade da filtragem de informação em questão.

Deixo uma frase que acho que traduz muito bem este modelo :"... o editor do jornal providencia (apesar de poder nunca estar consciente desse facto) que a comunidade oiça como facto somente aqueles acontecimentos que o jornalista, como o representante da sua cultura, acredita serem verdade." de David M. White





Agenda- Setting


"(...)em consequência da ação dos jornais, da televisão e dos outros meios de informação, o público sabe ou ignora, presta atenção ou descura, realça ou negligencia elementos específicos dos cenários públicos. As pessoas têm tendência para incluir ou excluir dos seus próprios conhecimentos aquilo que o mass media incluem ou excluem do seu próprio conteúdo. Além disso, o público tende aquilo que esse conteúdo inclui uma importância que reflete de perto a ênfase atribuída pelos mass media aos acontecimentos, aos problemas, às pessoas."
Donald Shaw , 1979 (In: WOLG , 1994)


A origem deste modelo foi na década de 60, por McCombs e Donald Shaw,
eles pressupõem que os meios de comunicação social, têm muito impacto sobre a opinião publica, pois são  um canal  de transmissão de informação, logo  têm um forte poder sobre  o conteúdo dos factos noticiados, na medida  em que há uma selecção das informações  noticiadas.Assim o quotidiano das pessoas é marcado pelos temas que os media consideram importantes de serem passados á sociedade , eles fazem  uma seleção de informação ,o que de certa forma nos leva a crer que  há manipulação do que chega ao publico .Estabelece-se então um “vicio de vontade ” entre os meios de comunicação e a sociedade em geral, ou seja, através do agenda-setting, os media controlam directamente os temas da actualidade e contribuem directamente para a formação de opinião-publica.
video

Assim o dia-a-dia das pessoas é marcado pelos temas que os media consideram importantes de serem noticiados, no entanto segundo Bernard Cohen: “Os meios de comunicação social  podem  não ter sucesso ao indicarem ás pessoas o que pensar, mas sim em dizer-lhes para ler sobre o assunto em questão… ”(Bernard Cohen (1963) stated: “The press may not be successful much of the time in telling people what to think, but it is stunningly successful in telling its readers what to think about.”)

 

segunda-feira, 15 de abril de 2013


MARKETING DE GUERILHA

“O marketing diluir-se-á na estrutura empresarial dando origem a subdivisões mais especializadas e mais interactivas. O marketing tradicional morreu e o novo marketing, mais humano e partilhado, mais matricial e interactivo, mais inovador e eficaz, mais free e mais criativo, mas também mais individualizado e tribal ganha espaço.” Luís Rasquilha
O Marketing de Guerrilha surgiu na década de 70,  época em que a publicidade estava descrebilizada ,   pouco criativa e inovadora ,  havia uma necessidade de mudança de estratégia .Levinson  descreve o marketing de guerrilha como uma estratégia capaz de “atingir as metas convencionais, tais como lucros e alegria, com métodos não convencionais, como investir energia em vez de dinheiro.
 

Esta campanha publicitaria das “Havaianas” é um bom exemplo disso… certamente que muitos após esta visualização ficarão com vontade de ter as suas Havaianas e ir até á praia e entrar nesta dança de cores e ritmos de Verão…
As tendencias ajudarão sempre os profissionais de RP a construir o seu entendimento sobre o negocio da comunicação e sobre os seus clientes podendo fazer com que a actuação seja mais eficaz." Luis Rasquilha